Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Household InnovationRadarEconomia aquecida estimulará vendas de produtos de limpeza

Economia aquecida estimulará vendas de produtos de limpeza

Empresas estão otimistas e apostam em itens de melhor custo-benefício, além de múltiplas utilidades, para conquistar o consumidor e ampliar a participação de mercado

O setor de produtos de limpeza está otimista para 2018. Diante da perspectiva de retomada da economia, as empresas apostam que o consumidor está mais disposto a experimentar e investir em produtos que privilegiam a praticidade e o custo-benefício.

O setor movimentou R$ 22 bilhões no ano passado, segundo dados da Euromonitor, e deve avançar para R$ 26,6 bilhões em 2022. “Estamos bastante animados diante da recuperação da economia brasileira”, afirma o diretor-geral da Limppano, Alex Buccheim. A indústria com sede no Rio de Janeiro registrou crescimento de 18% das vendas no primeiro trimestre deste ano e a meta para o ano é de um incremento de 17% sobre os R$ 160 milhões faturados no ano passado.

“Esse desempenho se deve, em parte, à disposição do varejo de estimular as vendas e levar produtos novos às gôndolas, mas também à apresentação dos itens ao consumidor de outra forma, com bom preço e soluções práticas”, avalia.

Segundo ele, nos últimos dois anos o consumidor se dispôs a experimentar outros produtos além das marcas que ele já está acostumado a comprar, o que abriu oportunidades para os concorrentes. “A crise nos obrigou a repensar produtos para oferecermos algo com uso otimizado, que entregue uma solução única ou o mais próximo disso.”

A Limppano espera concluir em 2019 a terceira fase de ampliação da unidade fabril localizada em Queimados, na Baixada Fluminense, com um investimento total de R$ 18 milhões.

A perspectiva também é positiva na avaliação da head de trade da Reckitt Benckiser – dona de marcas como Veja e Vanish –, Manoela Amando. Para ela, o brasileiro tem buscado mais qualidade depois da crise, o que fez com que as marcas da empresa não sofressem tanto no período. “O brasileiro não pode perder dinheiro, a compra tem que ser assertiva, por isso continuamos crescendo na crise”, garante.

As empresas do setor também passam por um processo de reorganização, uma vez que fábricas de matérias-primas nacionais fecharam as portas e os custos de itens como energia e mão de obra também aumentaram. “Acredito que algum reajuste de preços é inevitável diante desse cenário, assim como algum impacto no preço ao consumidor, mesmo que isso não ajude a ter aumento de vendas”, projetou Buccheim.

Marcas próprias

A crise também abriu terreno para as marcas próprias do setor, que devem continuar ganhando espaço na preferência do consumidor, mesmo com a melhora da economia. Conforme dados da Euromonitor, as vendas de produtos de limpeza de marca própria cresceram 4,5% no ano passado. “Observamos que este segmento vem crescendo independentemente da crise econômica”, afirmou ao DCI a gerente de marcas exclusivas do Grupo Pão de Açúcar (GPA), Carolina Redivo. “O cliente busca uma compra mais inteligente, que una qualidade e preço competitivo, e esse comportamento ocorre mesmo sem crise”, acrescentou.

O grupo tem no segmento a marca Qualitá e pretende lançar mais de 100 novos produtos de limpeza ao longo deste ano, o equivalente a 20% de tudo que será lançado por todas as marcas próprias do GPA.

Já no Walmart, as vendas do segmento cresceram mais de 60% no ano passado. “O portfólio de marcas próprias está saindo das categorias básicas para atender a um público cada vez mais amplo e exigente”, avalia a diretora de marcas próprias do Walmart, Alexandra Pulido.

Para ela, o crescimento também se deve ao reconhecimento da qualidade desses produtos pelos consumidores, mas principalmente ao quesito preços, que no caso da empresa chegam a ser 15% menores que os das marcas de referência. “Uma vez que o consumidor experimenta e constata a qualidade, ele passa a comprar pelo custo benefício.”

Fonte: DCI

Comments are closed.