Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On Linkedin
Household InnovationNielsen RadarHomens brasileiros compartilham cada vez mais as tarefas de limpeza doméstica

Homens brasileiros compartilham cada vez mais as tarefas de limpeza doméstica

Poeira e manchas são inimigos inevitáveis para os consumidores em todo o mundo. Então, não é de se surpreender que nós gastamos uma quantidade significativa de tempo tentando manter  nossas casas e roupas frescas e limpas. No entanto, enquanto a limpeza é uma prática comum em todo o mundo, uma estratégia única para fazê-la não funciona em todos os lugares. No nosso Estudo sobre Cuidados com o Lar, 32% dos entrevistados brasileiros dizem que limpam suas casas todos os dias e 38% lavam ao menos duas vezes suas roupas durante a semana, fazendo da limpeza uma atividade cotidiana.

Tanto latinos quanto brasileiros se preocupam mais com a limpeza do banheiro (86% vs. 88% da região) e da cozinha (84% vs. 85%) que com os outros espaços da casa, como o quarto e a sala. Para a limpeza básica, os brasileiros gostam mais de utilizar álcool (63%) e água e sabão (66%), assim como os latinos (76%). Quanto às ferramentas mais usadas pelos consumidores no Brasil na hora da faxina são elas a vassoura, a esponja e o pano.

QUEM LIMPA E QUEM COMPRA – O Brasil e a Venezuela são os países onde mais mulheres cuidam dos serviços domésticos, com 46%, três pontos acima da média regional (43). Mas isso não significa que os homens não ajudam, pelo contrário. O Brasil tem uma maior concentração de homens como responsáveis por limpar a casa (19% vs. 12% da região) e pelas compras de produtos de limpeza (24% vs. 17%). As tarefas domésticas também estão começando a ser mais compartilhadas entre as mulheres e os homens (22% vs. 30%). Com esta responsabilidade partilhada, estratégias de marketing devem ser projetadas para ambos os sexos, considerando o que mais pode chamar a atenção de todos.

ONDEM FAZEM AS COMPRAS E QUAIS SÃO OS MOTIVADORES – Varejistas modernos estão liderando em todas as regiões sendo o lugar favorito para comprar produtos de limpeza. Quase 8 em cada 10 (78%) brasileiros compram esses itens em grandes cadeias (vs. 81% da região), como supermercados ou hipermercados. Eles preferem fazer as compras nessas lojas maiores por encontrar os melhores preços (60%), os produtos que desejam (41%) e pelo sortimento deles (42%). A distribuição é o principal condutor da prova de testes de produtos e está correlacionada positivamente com o volume de produtos. Um ponto interessante a ressaltar no estudo é que, mesmo com uma porcentagem menos expressiva, os brasileiros compram mais em lojas pequenas do que a média da América Latina (38% vs. 31%).

O QUE OS CONSUMIDORES BUSCAM EM UM PRODUTO? – Na hora da compra, ao procurar um produto de limpeza, o brasileiro leva em consideração alguns benefícios. Em ordem de prioridade, ele vê se o item é multiuso (66%), desinfetante (60%), fácil de usar (59%) ou tem uma fragrância/aroma de seu agrado (57%). Já os latinos prezam mais por aqueles que sejam desinfetantes (66%) e tenham boa fragrância/aroma (62%). Entretanto, no momento da escolha do que vai de fato para o carrinho, os consumidores no Brasil e na América Latina vão pesar os produtos que ofereçam um melhor preço (78% vs. 73% da região) e que sejam eficazes (76 vs. 75%). Os produtos de limpeza devem ser eficazes, mas aqueles que combinam eficiência com características inovadoras oferecem uma solução ganha-ganha para os consumidores.

SOBRE A PESQUISA

O Estudo Global sobre Cuidados com o Lar foi realizado de 10 de agosto a 04 de setembro de 2015 e entrevistou mais de 30.000 consumidores online em 61 países na Ásia-Pacífico, Europa, América Latina, Oriente Médio/África e América do Norte. A amostra inclui usuNorte. é Internet que concordaram em participar desta pesquisa e tem quotas com base na idade e sexo para cada país. A amostra é ponderada para ser representativa dos consumidores com acesso à Internet por país.  Como a amostra se baseia nos consumidores que concordaram em participar, não é possível calcular estimativas teóricas de erros de amostragem. Entretanto, uma amostra probabilística de tamanho equivalente teria uma margem de erro de ±0,6%, globalmente. Esta pesquisa da Nielsen se baseia apenas no comportamento de entrevistados com acesso à Internet. As médias globais e regionais utilizadas neste relatório se baseiam em dados ponderados dos países. As taxas de penetração de Internet variam por país. A Nielsen utiliza um reporte padrorte padra apenas no comportão de Internet ou uma população de 10 milhões de internautas para que o país seja incluído na pesquisa.

Comments are closed.

Parceiros