Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Household InnovationCiência & Tecnologia COVID-19 DestaquesComo os lenços desinfetantes são testados contra SARS-CoV-2?

Como os lenços desinfetantes são testados contra SARS-CoV-2?

A eficácia dos produtos projetados para combater infecções precisa ser comprovada

Por James Clayton, Diretor de Ciências Laboratoriais da PDI

Como a pandemia COVID-19 continua a afetar nossas comunidades, nossas economias e nossos sistemas de saúde, nossa compreensão de como o vírus pode ser controlado é fundamental. O consenso científico inicial era de que o vírus seria sensível a desinfetantes devido em grande parte ao seu envelope lipídico [1]. Essa camada protetora de gordura se quebra com relativa facilidade quando exposta a desinfetantes, inativando o vírus. Os primeiros dados apoiaram essa hipótese – mas muito mais pesquisas foram necessárias para informar com segurança nossas práticas de controle de infecção. Precisamos equipar nossos profissionais de saúde e a comunidade com desinfetantes que sabemos serem eficazes.

Patógenos Emergentes
Quando um novo patógeno surge, leva tempo para colocar o organismo nas mãos de pesquisadores que podem manipular com segurança e estudar seu comportamento de maneira controlada. Normalmente, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças ( CDC ) ou o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas ( NIAID ) cataloga o organismo e o prepara para disseminação para um conjunto específico de cientistas. No caso do SARS-CoV-2, o vírus foi manipulado pelo Repositório de Recursos de Pesquisa de Infecções Emergentes e Biodefense (BEI Resources), que é gerenciado pelo NIAID [2].

Na ausência de dados de teste diretos, o programa Emerging Pathogen da EPA entra em vigor. Os desinfetantes que se mostraram eficazes contra vírus semelhantes poderiam ser registrados e adicionados à Lista N da EPA [3]. Esses produtos foram considerados prováveis ​​de funcionar contra o SARS-CoV-2 porque inativam um vírus mais difícil de matar ou outro corona vírus humano [ 4]. Embora essa lista tenha servido como um guia prático e necessário durante os meses iniciais, ela se baseou em suposições científicas e não em dados concretos. Ainda eram necessárias pesquisas para mostrar como cada desinfetante reage quando encontra o SARS-CoV-2 para que sejam considerados eficazes.

Protocolo de Teste
Ao contrário das bactérias, os vírus requerem uma célula hospedeira para infectar e se replicar. Embora os corona vírus relacionados tenham se mostrado difíceis de crescer em laboratório, o SARS-CoV-2 se adaptou rapidamente à cultura de células. Nos EUA, o vírus foi disponibilizado para pesquisa em março para um número seleto de laboratórios de contenção de nível de biossegurança 3 que têm prova de elegibilidade do CDC ou do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos ( USDA ) [5].

Para demonstrar a eficácia de um desinfetante, as empresas precisam seguir as orientações da EPA – especificamente, OCSPP 810.2200 – Desinfetantes para uso em superfícies ambientais: orientação para testes de eficácia. O teste viral é suportado usando um método de teste padrão ASTM International, ASTM E1053 ‘Método de teste para eficácia de agentes virucidas destinados a superfícies ambientais inanimadas.’ [6]

Para realizar o teste, o vírus SARS-CoV-2 é cultivado em cultura de células até que um número suficiente seja alcançado (normalmente mais de 63.000 partículas virais viáveis). Solo, na forma de soro animal, é adicionado ao ‘estoque’ do vírus para replicar as condições ambientais que o vírus favorece. O solo é conhecido por desativar certos desinfetantes, o que cria um desafio adicional. A mistura de vírus e solo é então aplicada ao fundo de uma placa de Petri de vidro e deixada secar. Isso simula novamente como o vírus pode ser encontrado no ambiente. Os desinfetantes são aplicados ao vírus seco de uma maneira que imita uma situação do mundo real. No caso dos lenços desinfetantes, eles são dobrados e enxugados na superfície de maneira controlada. Seguindo o tempo de contato, que pode variar de acordo com a limpeza, o vírus é raspado do fundo da placa de Petri e coletado para crescimento em cultura de células. Estudos demonstraram que o tempo de incubação do SAR-CoV-2 é de aproximadamente sete dias sob temperatura e condições atmosféricas específicas.

Ao contrário das bactérias, os vírus não podem ser vistos a olho nu ou mesmo sob microscopia alta. Em vez disso, os cientistas usam um microscópio para procurar a infectividade do vírus em sua célula hospedeira – o efeito citopático. Usando a microscopia resultante, uma redução da população inicial pode ser determinada. A EPA exige uma redução de 99,9% para provar a eficácia [3].

Status de toalhetes desinfetantes de grau hospitalar PDI
PDI começou a testar seu primeiro produto, os toalhetes Super Sani-Cloth, em abril. Os toalhetes Super Sani-Cloth são um toalhete desinfetante de grau hospitalar, que se provou eficaz contra três vírus mais difíceis de matar do que o SARS-CoV-2 – rinovírus, adenovírus e rotavírus – qualificando assim o produto para a Lista N da EPA: Desinfetantes para Uso contra SARS-CoV-2 (COVID-19). Os ingredientes ativos dos toalhetes Super Sani-Cloth são uma mistura de compostos de amônio quaternário e isopropanol.

Os testes nos toalhetes Super Sani-Cloth foram realizados pela Microbac Laboratories, Inc., um laboratório independente que realiza testes ambientais, alimentares e de ciências biológicas. A Microbac está na vanguarda dos testes de muitos patógenos emergentes, como Influenza H1N1 (2009), SARS e MERS. Eles foram um dos primeiros laboratórios a testar diretamente contra o SARS-CoV-2, valendo-se tanto de seu conhecimento de vírus patogênicos quanto de experiência em testes da EPA. Eles realizaram testes usando o protocolo descrito acima.

Os resultados da Microbac mostraram que os lenços Super Sani-Cloth alcançaram uma redução de três log (99,9%) contra o vírus, em conformidade com o OCSPP 810.2200 da EPA – Desinfetantes para Uso em Superfícies Ambientais: Orientação para Testes de Eficácia.

Depois de receber dados positivos do Microbac em junho, os dados foram apresentados à EPA no início de julho. Se aprovado pela EPA, os lenços Super Sani-Cloth receberão a aprovação do rótulo de que o produto foi testado como eficaz contra o vírus. Os testes de produtos PDI adicionais na Lista N da EPA estão em andamento.

Conclusões
Embora possamos presumir que o SARS-CoV-2 é fácil de desinfetar porque é um vírus com envelope, não podemos garantir a eficácia até que seja testado diretamente contra a cepa específica do vírus. Queremos armar nossos profissionais de saúde e a comunidade com desinfetantes que sabemos que funcionam contra a SARS-CoV-2, com protocolos específicos e ciência robusta.

Referências
1.? Rutala, WA e Weber, DJ (março de 2020) Focus on Surface Disinfection When Fighting COVID-19, Infection Control Today
2.? Https: //www.beiresources.org/About/BEIResources.aspx
3.? Agência de Proteção Ambiental (agosto de 2020), Lista N: Desinfetantes para uso contra SARS-CoV-2 (COVID-19). Obtido em https://www.epa.gov/pesticide-registration/list-n-disinfectants-use-against-sars-cov-2-covid-19
4.? Agência de Proteção Ambiental (agosto de 2016) ORIENTAÇÃO AOS REGISTRADORES: PROCESSO PARA FAZER REIVINDICAÇÕES CONTRA PATÓGENOS VIRAIS EMERGENTES NÃO EM ETIQUETAS DESINFETANTES REGISTRADAS NA EPA. Obtido em https://www.epa.gov/sites/production/files/2016-09/documents/emerging_viral_pathogen_program_guidance_final_8_19_16_001_0.pdf
5.? Https : //www.beiresources.org/RegisterLevel3.aspx
6.? Environmental Protection Agency (agosto de 2019), Product Performance Test Guideline, OCSPP 810.2200, Desinfetantes para uso em superfícies ambientais, Orientação para testes de eficácia https://www.regulations.gov/document?D=EPA-HQ-OPPT -2009-0150-0036

Fonte: happi 01/10/2020

Comments are closed.

Parceiros