Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Household InnovationEmbalagem & Design Euromonitor Internacional RadarEmbalagens sustentáveis na América Latina não passam de 6%
Banner_noticias_hhs

Embalagens sustentáveis na América Latina não passam de 6%

  • Written by:

Euromonitor avalia que existe uma lacuna entre o que os consumidores desejam e o que as empresas oferecem

De acordo com o Sistema de Reivindicações e Posicionamento de Produtos da Euromonitor, que rastreia 15,2 milhões de SKUs online na América Latina, apenas 5,6% dos produtos pesquisados ​​incluem declarações de embalagens sustentáveis. Considerando a escala das indústrias de FMCG e a vasta presença de embalagens em seus negócios, é essencial refletir sobre a transição para soluções circulares para se manterem relevantes e competitivas.

Consumidores em todo o mundo estão mostrando mensagens claras sobre suas preferências de embalagens, buscando opções que sejam melhores para o meio ambiente. Soluções mais ecológicas como recicláveis, biodegradáveis ​​e recarregáveis ​​estão enraizadas nas mentes dos consumidores latino-americanos, na Europa e na América do Norte. Mesmo assim, ainda existe uma lacuna entre o que os consumidores desejam e as soluções disponíveis que as empresas estão oferecendo na região, então os players devem priorizar os esforços de embalagens sustentáveis, como já está acontecendo na Europa, para vencer na América Latina.

Estudos de casos de interesse

Por meio do consórcio Pulpex, a Unilever está trabalhando em uma garrafa de detergente à base de papel para sua marca, Omo. Feitas com celulose de origem sustentável, essas garrafas totalmente recicláveis ​​serão lançadas no mercado brasileiro em 2022. A empresa está testando a mesma tecnologia para garrafas de cuidado com os cabelos.

A L’Occitane está promovendo a redução do plástico descartável na região com a venda de seus produtos de beleza e cuidados pessoais em embalagens de refil na forma de uma bolsa feita de plástico reciclado proveniente do acordo plurianual da L’Occitane com a recicladora Loop Industries .

No Chile, a Softys lançou a primeira embalagem à base de papel do mercado por meio da marca Elite, quebrando padrões em uma indústria tradicionalmente dominada por embalagens plásticas.

Empaque Sustentable (“embalagem sustentável”) é um grupo de empresários chilenos com foco em soluções de embalagens sustentáveis, recicláveis, biodegradáveis ​​e compostáveis ​​para entrega, feitas de bagaço de cana-de-açúcar e uma alternativa de ácido polilático (PLA) e FSC- 100% sem plástico sacos de papel Kraft certificados. Os parceiros no Chile incluem Uber Eats e Justo delivery, e uma grande variedade de pontos de venda de foodservice.

O uso de conteúdo reciclado é uma tendência de rápido crescimento em embalagens

Garrafas e potes produzidos com conteúdo reciclado pós-consumo (PCR) representam uma tendência crescente na indústria de embalagens – e os recipientes PET (tereftalato de polietileno) estão na vanguarda dessa tendência.

Na América Latina, uma região com baixa penetração de máquinas de lavar louça, a lavagem manual é a categoria dominante, e uma categoria em que a garrafa PET de plástico é o formato de embalagem dominante. A categoria cresceu 9% em termos de volume na Argentina em 2020 e 13% na região.

Em 2019, a Unilever, líder de mercado na Argentina, lançou sua garrafa de lava-louças Cif feita com plástico 100% PCR PET, e em 2021 a vinícola chilena Viña Concha y Toro recebeu o prêmio World Changing Ideas pela reciclagem de seu resíduo PET liner (uma produção subproduto) para aparelhos de home care, Viturex Ilko, para lavar as mãos em frascos de sabão em pó.

Produzido a partir de combustíveis fósseis, o PET é um dos plásticos mais comuns do mundo e um dos mais fáceis de reciclar, principalmente se for transparente. A fabricação de PET com conteúdo reciclado se tornou uma prioridade para os proprietários de marcas, a fim de cumprir suas metas de embalagens sustentáveis.

As garrafas PET podem ser produzidas com conteúdo de PCR entre 10% e 100%, dependendo da disposição dos proprietários da marca em comprometer a clareza e a estética da cor. A cor pode ser tratada por meio de aditivos, embora não seja tão sustentável, enquanto alguns até veem a cor do PCR como um símbolo de honra ambiental, cinza como o novo verde.

 

 

 

 

 

Fonte: Euromonitor – 13/09/21

Comments are closed.

Parceiros